A Sindrome de burnout de acordo com a Organização Mundial da Saúde é classificada como um “fenômeno ocupacional”, ou seja, em virtude de esgotamento mental os trabalhadores se sentem incapazes de atuar profissionalmente. Os impactos são tão devastadores e se manifestam com sentimentos de exaustão, distanciamento mental, sentimentos de negativismo relacionados ao trabalho e por consequência redução de eficiência. Além dos sintomas psíquicos, ela também pode evoluir para sintomas físicos.

Como identificar a síndrome de Burnout

O mal-estar psicológico é resultante do esgotamento profissional. No ambiente de haverá pressão do chefe por resultados; ansiedade para conseguir dar conta das inúmeras tarefas; receio de perder seu emprego devido à competitividade do mercado; e, assim, a insegurança começa a dominar suas atividades, entre outros sentimentos angustiantes que se iniciam. Ainda em sua residência, você já se sente sufocado, como se a mente fosse explodir. Não há esperança. Você simplesmente não aguenta mais.

Importante ressaltar que a burnout se caracteriza como um estresse crônico. Não são episódios esporádicos, mas se caracterizam por sintomas constantes, que podem levar o profissional ao completo esgotamento.

Quais os sintomas?

O transtorno possui sintomas físicos e psíquicos. Conhecer os sinais de burnout é o primeiro passo para conseguir tratá-la. Confira abaixo os principais sintomas:
• Fadiga constante
• Negatividade
• Esgotamento físico e mental
• Mudanças bruscas de humor
• Memória baixa
• Insatisfação sobre tudo o que faz
• Dificuldade de concentração
• Perda do foco e da criatividade
• Culpa por não saber lidar com as obrigações do expediente

Sindrome de Burnout X Depressão

Não é tão fácil de diferenciar, precisa de muita observação e investigação. Pois o diagnóstico da síndrome de burnout pode ser dificultado pelos traços que a doença apresenta em comum com a depressão. Exaustão, desânimo e dificuldade de concentração são sintomas reconhecidos em pessoas que apresentam depressão. Porém, um dos sinais que distinguem os distúrbios é de que o burnout ocorre apenas com a interferência do ambiente de trabalho.
Todos os indivíduos ativos, na faixa dos 20 aos 45, estão sujeitos a sofrem com a doença.

Tratamento

O próprio indivíduo pode perceber o distúrbio, mas em casos raros. O mais comum é que familiares, colegas do trabalho e pessoas próximas façam isso.
Se você acredita que está passando por uma situação de estresse crônico, é importante procurar um profissional formado no curso de Psicologia e registrado no Conselho Regional de Psicologia.

Existem diversas abordagem terapêuticas disponíveis: psicanálise freudiana e lacaniana; psicologia analítica; Gestalt terapia; terapia cognitivo-comportamental

PUBLICIDADE